Coleiras

 

 

Inesquecível a primeira vez que L colocou a coleira de couro em mim. Apertada. Bem apertada. Mas a levou embora. Quando nos encontramos novamente ele a deixou comigo e disse que enquanto eu quisesse estar  com ele, ela seria minha. Desde então passei a usá-la com alguma frequência. Depois, mais amiúde.

Foi então que começamos a falar na coleira de aço. A ideia me excitava, principalmente porque as fotos que via eram lindas. Eu queria. Queria porque gostava. Queria porque ele queria. Queria porque era linda!

E quando nos encontramos em Berlim, em janeiro passado, L orgulhosamente fechou a coleira de aço em meu pescoço. Eu vi o brilho nos olhos dele quando ele sentiu o quanto eu estava feliz. Eu amo a beleza delas, eu amo o que elas significam, não para os outros, mas para nós.

E uso, uma ou outra, diariamente. Assim parece que L está mais perto, pois quase posso sentir suas mãos ao fechá-las.

—-

Collars

Unforgettable the first time L put the leather collar on me. Tight. Very tight. But he took it away. When we met again he left the collar with me and said that while I wanted to be with him, it would be mine. Since then I started to use it with some frequency. Then more often.

Then we started talking on the steel collar. The idea excited me, especially because the photos I saw were beautiful. I wanted it. I wanted because I liked. I wanted because he wanted. I wanted because it was beautiful!

And when we met in Berlin in January, L proudly closed the steel collar around my neck. I saw the gleam in his eyes when he felt how much I was happy. I love their beauty, I love what they mean, not for others but for us.

And I use them, either daily. So it seems L is closer because I can almost feel his hands closing them.

 

Leave us a Message